domingo, 27 de julho de 2014

UM POUCO ALÉM DO ECA

Sou, como muitos, observador dos movimentos sociais, das coisas que afligem nossa comunidade de perto e como Nação. Pela minha experiência e pelo que vi com meus filhos e seus amigos, professor não precisa que lhe deem autoridade. Ou ele conquista ou não terá. Porque mesmo durante o Regime Militar, como estudante, vi professores sem a menor autoridade, que serviam de chacota entre os alunos. Isso vale para qualquer das nossas relações. Há pessoas que têm autoridade e pronto, outros constroem. Mas neste momento que arrazoar sobre o que penso quanto a este conflito Professor X Aluno, que se vê nas escolas.

Primeiro ponto a ser observado é que esse conflito trava-se com uma minoria. A vasta maioria dos alunos é dócil e respeitadora. Nas mais das vezes alunos podem agir influenciados por outros. Mas mesmo assim, há os que ficam de fora das confusões.

Segunda observação que faço é que os professores tendem a se isolarem, com pouca ou nenhuma interatividade com seus alunos. Os que se dispõe em ser amigo não só conquistam o tal do respeito, como passam a ser referências morais, mais que pais. Mas isso requer tempo, dedicação e até uma boa dose do perfil do profissional. Assim como temos alunos dóceis e outros violentos, temos professores que simplesmente não tem perfil para conquistar estudantes. Estão na profissão, mas deveriam estar num escritório, atrás de uma mesa.

Esses profissionais que estão fora de lugar são, geralmente, atraídos pela tal da estabilidade. Isso em si não pode ser totalmente condenável. O problema é que a formação do conhecimento está em suas mãos. Além disso, igualmente despreparados, observa-se, não são dados ao conhecimento. Neste particular basta alguns minutos de conversa para ver-se claramente que é um repetidor de texto, não um conhecedor do que expõe.

Os alunos reconhecem quando o professor sabe o que está falando. Este é outro aspecto dessa relação. Um profissional que se põe diante da turma e não domina sua matéria é claramente notado. Assim, ao invés de respeito, ganha desprezo.

Enfim, o problema destes conflitos e estresses da classe tem muito mais a ver com os professores que com os alunos. É deprimente colocarem a culpa sempre no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) como se esses conflitos tivessem surgido com a Lei, em 1990.

sábado, 26 de julho de 2014

A ESTUPIDEZ DO HAMMAS

O conflito entre Israel e Hammas, com palestinos em meio ao fogo cruzado, tem origens as mais diversas e remontam centenas, senão, milhares de anos. Cada lado, e seus admiradores, tem suas razões e também suas erros. Para mim Israel está no centro e é de seu ponto de vista que deve ser analisado. Digo isto pelas seguintes razões:

Primeiro, é um país constituído há quase 70 anos. Tornou-se impossível retirá lo de lá. E mesmo que fosse o antissemitismo está tão forte que judeus continuariam sendo perseguidos onde quer que estejam. Não é mais possível voltar ao que era antes da Segunda Grande Guerra.

Segundo, o Hammas é uma luta armada terrorista. Não tem legitimidade alguma para reivindicar qualquer coisa, muito menos a posse da terra. Além disso, sua luta não é por melhorar as condições de vida dos palestinos. Luta apenas por destruir Israel como se fosse possível.

Terceiro, está claro que não têm condições de derrotarem Israel. A diferença bélica é absurda. Não se trata mais da constituição de um novo país, no caso a Palestina. Trata-se apenas, e tão somente, dá vontade de um grupo de atacar o outro. Nos anos em que os palestinos tinham acesso a Israel para trabalharem suas vidas tinham um padrão bem superior ao atual. A miséria em que vivem é resultado das portas fechadas de Israel. Portas estas que entende-se claramente do porquê estaremos fechadas. Não é mais uma questão de quem está certo.

A questão é simplesmente de dar condições de vida melhor para os palestinos e esta condição tem uma única forma de ser conseguida: com Israel vivendo como país livre e os palestinos usufruírem desse poder econômico e bélico.

Se há uma estupidez na guerra essa é personificada pela Hammas.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

ESTUDO REVELA DESTAQUE DO FACEBOOK NA DISCUSSÃO POLÍTICA

Estudo revela o panorama das eleições presidenciais nas redes sociais

 Em estudo exclusivo, o Scup mostra o que motiva as discussões políticas nas eleições 2014 no ambiente digital
As redes sociais vem assumindo cada vez mais um papel importante como catalisador de opiniões, informações e manifestações públicas, trazendo cada vez mais as discussões políticas para dentro do mundo digital. De março até as vésperas do início oficial das eleições no último domingo, os candidatos à presidência foram o tema direto de mais de 1.1 milhão de menções (posts do facebook, google+, twitter e instagram), dos usuários das redes.
Os dados são do Voto Conectado, iniciativa do Scup, ferramenta líder em monitoramento de redes sociais, que traz os principais dados sobre a presença digital dos presidenciáveis na semana que precedeu o anuncio oficial.
Em estudo acadêmico conduzido por Ricardo Azarite com base no Voto Conectado, foram analisadas, no período de 29 de junho à 05 de julho, 6,7% das menções coletadas no Facebook, Twitter, Google+ e Instagram sobre os 11 candidatos. Os dados analisados traçam o perfil das eleições de 2014 no mundo digital.
Dastaques da pré-campanha
Essa é a eleição do Facebook. 7 em 10 menções feitas sobre os candidatos foram no Facebook. Logo após está o Twitter com 27% das menções. O Google+ e o Instagram, com pouco mais de 1% e 0,3% de menções respectivamente, não são ambientes politizados.
Teor das discussões. 1 em 4 menções foram motivadas pela discussão sobre a ideologia e os valores dos candidatos. O dia a dia da campanha (20%), compartilhamento de posts oficiais (7%), histórico político dos candidatos (7%), pesquisa eleitoral (6%), resultados do governo (5%), denúncia (5%) e propostas (5%) foram os outros assuntos mais comentados durante o período.
O papel da imprensa. O valor informativo das redes sociais para política é grande: 41% de todas as menções analisadas são compartilhamentos de notícias sobre o tema.
Há mais ódio do que amor sobre política. As mídias sociais tem se mostrado um ambiente crítico aos candidatos: 37% das menções totais são negativas, enquanto que somente 22% são positivas;
Porcentagem de menções. De todas as menções públicas sobre os candidatos no período, sem análise de juízo de valor pelo estudo, Dilma Rousseff (45%) e Aécio Neves (34%) foram os candidatos mais comentados, seguidos de Eduardo Campos (13%) e Luciana Genro (4%). Os candidatos do PV, PTRB, PSTU, PCO, PSDC, PDC e PCB totalizaram juntos 4%.


Sobre o autor do estudo
Ricardo Azarite, jornalista formado na ECA-USP, é especialista em mídias sociais, sua área de atuação desde 2009. É co-autor do livro “Monitoramento e Métricas de Mídias Sociais: do estagiário ao CEO”, escrito com Ricardo Monteiro, sócio do Scup. Faz MBA em Marketing Político na ECA- USP
Sobre O Voto Conectado
O Voto conectado é uma portal criado pelo Scup. Num painel constantemente atualizado, ele traz dados públicos coletados nas redes sociais sobre os candidatos à presidência e ao governo de 12 estados brasieliros, mais o Distrito Federal. Com as principais menções ao candidato no Twitter, Facebook e Google+, ele traz também a concentração geográfica e segmentação de gênero dos usuários que falam dele, galeria de fotos relacionadas do Instagram e outras informações sobre o político nas mídias sociais. Além do monitoramento, o site também apresenta uma série de conteúdos educativos sobre eleições e redes sociais, como cases, dicas e depoimentos sobre o tema trazidos por políticos, consultores e profissionais renomados do mercado. Para saber mais sobre a metodologia do projeto, veja aqui.

MAIS QUE LIXO NO RINCÃO

Estive no Balneário Rincão nesse domingo. Passei por várias ruas. Fotografei o que achei uma demonstração de desleixo por parte da prefeitura, mas é tanta coisa que nem vale colocar apenas uma aqui. Não bastasse o mato no meio-fio, todo o lixo Julifest, feita na noite anterior, restava no local. Havia copos plásticos e toda a sorte de lixo como é comum nessas festas. Umas rajadas de vento colocaria lixo do Torneiro até Ilhas sem que a prefeitura fizesse qualquer coisa. 

Uma administração responsável faria a limpeza do local imediatamente, tão logo terminasse o evento. É o que se ve durante o Carnaval no Rio de Janeiro durante os desfiles das escolas de samba. Isso demonstra claramente que a administração de Décio Góes deixa muito a desejar.

Local de "destino turístico" é o grande apelo do município. Por conta desses detalhes vê-se a visão pequena de sua gestão. A avenida principal que liga a sc 445 até a rua Paraná, a Leoberto Leal, é um verdadeiro nojo. Não recebeu, em sua curta distância, nem uma melhoria do pavimento. Nenhum município que queira atrair turistas de alto poder aquisitivo, que possa gastar muito, exitará em ir para outros locais que não o Rincão.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

NOTA OFICIAL DE BALNEÁRIO RINCÃO SOBRE A COLETA DO LIXO

NOTA OFICIAL

Por conta da investigação do Ministério Público na Recicle, empresa que presta serviço de coleta de lixo, e, consequentemente, no Samae, tomamos as seguintes atitudes no dia de ontem:

1.      Conforme nota emitida em 14/07, colocamos à disposição do Ministério Público toda a documentação necessária para que a situação seja esclarecida o mais rápido possível, o que é também de nosso interesse;

2.      Nomeamos interinamente o Diretor Administrativo Financeiro, Antônio Carlos Guisi, para responder pela autarquia;

3.      O Samae suspendeu o contrato com a Recicle, até que as investigações sejam concluídas;

4.      Solicitamos auditoria do Controle Interno e Procuradoria do Município para apuração dos contratos, medições e pagamentos do serviço de coleta de lixo;

5.      Estamos disponibilizando total apoio para o Samae viabilizar uma solução emergencial para a coleta do lixo doméstico, adotando um recolhimento próprio, embora precário e emergencial, a partir de hoje. Neste sentido, solicitamos a compreensão de toda população quanto aos transtornos que poderão ocorrer. 

Décio Góes
Prefeito de Balneário Rincão

terça-feira, 15 de julho de 2014

DEUS E O SEXO

Você acha que Deus está preocupado com sexo?

Deus está preocupado com traição conjugal?

Deus está preocupado com o fato de o marido tem que ser fiel à sua mulher e a mulher ser fiel ao marido?



Ele evita estupro? Não! Sequer denuncia agressores. Dependemos das ações humanas para que estupradores e pedófilos sejam punidos por seus atos. Quando chegamos a este ponto. Tampouco dá às vítimas um mínimo de garantias físicas, pois podem contrair doenças e mesmo uma gravidez pode vir. Muitas das vítimas precisam de psicólogos, cientistas que estudam e não ficam à mercê de revelações do Espírito Santo, para reaver em sua tranquilidade emocional, se é que é possível. Sem falar de outras tantas atrocidades de humanos sobre humanos.

E Deus estaria preocupado com o seu casamento? Além disso, o ato sexual, sendo consentido, é um ato entre duas pessoas que usufruem de suas vontades.

Deus teria bênçãos para o casamento em troca de um ser fiel ao outro? Pode ser. Contudo, sendo omisso e negligente, estupros me fazem pensar que ele não tem qualquer interesse em preservar o sexo como algo sagrado, ou que dê atenção ao fato de você ter medo de ser corno(a).

Da mesma forma líderes religiosos e seus seguidores exaltam a virgindade como moeda para crentes receberem bênçãos. Ora, que valor há nisso? Imagine que fácil seria apenas preocupar-se em controlar o desejo e, assim, garantir vida conjugal satisfatória. Que simplicidade... Que senso de proporção têm os que acreditam que Deus queira impor restrições a impulso tão forte? Nenhum senso de proporção.

Estou convicto de que sexo, para Deus, é um assunto irrelevante.

Segue matéria no Diário Catarinense, de 15/07/2014 | 06h04 Atualizada em 15/07/2014 | 09h31, como exemplo:

"— Para cada lugar que eu olho nesse mato, tem um sofrimento meu.

É assim que uma mulher de 24 anos que era estuprada pelo pai há quase duas décadas no interior de Rio Negrinho, no Planalto Norte, define o cenário que vê à sua volta. Pelo menos até a última quinta-feira, quando o homem que abusava dela desde a infância foi preso após a polícia receber uma denúncia anônima.

A irmã de 22 anos também era violentada desde menina. Os frequentes estupros resultaram em sete casos de gravidez. Cada uma das irmãs gerou três filhos, e a mais jovem está grávida do pai pela quarta vez. Com os abusos, os nove filhos legítimos _ seis homens e três mulheres (a mais nova tem 19 anos e não foi violentada) _ e a esposa sempre viveram em uma família estruturada pelo medo."

segunda-feira, 14 de julho de 2014

POLÍCIA MILITAR PREOCUPADA COM A VINDA DE GANENSES PARA CRICIÚMA

Por conta de postagem que fiz no Facebook sobre a vinda de muitos ganenses para a região de Criciúma, o Major PM Evandro Fraga, especialista em Direitos Humanos e Direito Internacional Humanitário, enviou a seguinte mensagem:

"De fato não estamos preparados pra tratar dos problemas originados a partir da entrada dos estrangeiros, a maioria de origem Africa (aqui na nossa região, Ganenses) que manifestaram o interesse em permanecer no Brasil ao final da Copa do Mundo. As manifestações de caridade e de solidariedade que sempre caracterizou o nosso povo tem permitido boas iniciativas. O nosso Curso de Soldados recentemente encerrado contribuiu com cestas básicas, roupas e calçados, por exemplo. Mas as autoridades brasileiras, que tratam especificamente da entrada de estrangeiros no país, precisam se manifestar. O Brasil, no mundo é o pais que mais acolhe refugiados, segundo informações do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). Acabei de mandar, via site um pedido de informações ao referido órgão. O problema é grave e complexo, e só com discursos ideológicos-partidários não conseguiremos resolver parte do problema."

A migração começou há meses, mas se intensificou durante a Copa do Mundo com o Itamaraty liberando vistos para o evento. Cerca de 200 ganenses pediram asilo político no Rio Grande do Sul, muitos deles vindo para a nossa região.

Não há qualquer estrutura para recebe-los, acumulam-se em casas precárias e estão dependendo de ajuda de voluntários.