sexta-feira, 17 de julho de 2015

CRICIÚMA CONSTRUÇÕES - E o prefeito

Não há dúvidas da relação empresarial entre Rogério Cizeski, da Criciúma Construções, e o ex-prefeito Clésio Salvaro, que foram sócios no hotel Cecontur, de Florianópolis. Sociedade que veio após Salvaro ascender à prefeitura.

Em 2014, ao estourar de vez a bolha da construtora e vir a público o ''intampável'' rombo na empresa, disse a vários vereadores, dentre os quais José Mello (PT), Ricardo Strauss (PP) e Vanderlei Zilli (PMDB), que deveriam fazer uma CPI na Câmara. Insisti diversas vezes na ideia, inclusive publicando no Facebook. Nada fizeram até que houve o incêndio na Divisão de Planejamento Físico-Territorial (DPFT), no Paço. Este episódio não pôs fim a todos os documentos porque os emitidos, há décadas, ficam em back-up num servidor. Mas os recebidos não. O fato é que ainda é possível encontrar, caso haja, algum indício de liberação irregular de obras.

Este texto não é uma acusação, mas um pedido de investigação. Pena que nossos vereadores só têm interesse em CPI quando a ideia é deles. Sugestão externa não interessa...

sexta-feira, 3 de julho de 2015

CERTIDÃO DE CASAMENTO - A BURRICE NO PAPEL

Leio na revista Carta Capital, um veículo esquerdista ao extremo, o seguinte texto de Pedro Serrano:

O verdadeiro avanço civilizatório não seria o reconhecimento do casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas a própria extinção do casamento civil. O Estado deveria se limitar a criar regras nas relações patrimoniais entre as pessoas, sem interferir nas opções amorosas ou sexuais de cada um. A extinção da figura do casamento civil é o verdadeiro debate para se atingir uma forma de convivência social mais civilizada e para se preservar a verdadeira liberdade individual de opção afetiva e erótica.

Gostei e digo que qualquer religioso deveria aprovar. Primeiro, as relações afetivas não se estabelecem a partir de um documento, mas antes. Tampouco as relações se mantém por causa de um documento. Exceto quando uma das partes precisa manter seus direitos a bens ou sua subsistência. Nesse caso o amor pelo outro já morreu faz tempo. Segundo, justamente os religiosos deveriam aderir a isto porque, suponho, suas vidas estejam sob a bênção de Deus e não sob a o Estado. Terceiro, a família não está ameaçada porque ela existe muitíssimo antes de qualquer regulamentação civil. Quarto, a educação de nossos filhos não tem qualquer ingerência de registro em cartório. Pelo contrário, infinitos casos à margem dessa normativa e com o sucesso advindo do bom senso e determinação dos envolvidos. Quinto, a Justiça já reconhece relacionamento não registrados oficialmente como o direito da amante, ou do filho fora do casamento etc.

O fim do casamento civil apenas, e tão somente, é uma volta ao que deu sua maior força: ser melhor que viver só. Eis aquilo em que devem estar todos os esforços. O casamento sendo bom para ambos, sejam heteros ou homossexuais, não terão seus adeptos do que temerem.

Mas o que mais me espanta nisso é a briga pela legalização das relações homo afetivas como se dependessem de um papel para existirem ou da aprovação do Estado. Ora, ao que me parece, com exceção dos regimes islâmicos, foro íntimo continua sendo foro íntimo. Esses tais querem um modelo do qual são contra. Além disso, porque imporem a si todo o desgaste de desfazer na Justiça algo que depende apenas de suas vontades? Esse movimento gaysista pelo casamento é de uma burrice abissal.

Por fim, os religiosos não podem ter receio de qualquer dessas normatizações do poder público. Afinal, não é maior o que está neles do que o que está no mundo? Que bom se vivessem conforme a fé que possuem. #SQN 

terça-feira, 30 de junho de 2015

HOLOCAUSTO SÓ DE JUDEU?

O PL 987/2007, do deputado Marcelo Itagiba (PMDB/RJ), apensado ao PL 6418/2005, visa penalizar quem "negar a ocorrência do Holocausto ou de outros crimes contra a humanidade, com a finalidade de incentivar ou induzir a prática de atos discriminatórios ou de segregação racial". Note a lambança, como se o holocausto judeu fosse racial. E negar um caso é incentivar outro? Ou como seria colocar as mortes de judeus sem a pecha de ''holocausto''? Por que holocausto refere-se apenas a judeus? Mas vamos ao ponto, partindo dessa proposta.

Li algumas coisas, dentre elas o repúdio a este tipo de censura. Na Europa há países que criminalizam qualquer dúvida sobre o holocausto de judeus na Segunda Guerra como o propagado 6 milhões, que dá 5,4 mil mortes por dia entre 1942 e 1945. Você imagina o que envolve matar tanta gente assim em algumas dezenas de locais? Como descendente de judeus posso afirmar: tudo na história pode ser revisto. E, se o Holocausto é verdadeiro, não há como temer que alguém, ou grupos, possam coloca-lo em dúvida. Isso, na minha avaliação, somente reforçaria a verdade.

É justamente esse tipo de Lei que me faz ter dúvidas sobre a história contada. E mais, o número de russos mortos foi de 20 milhões, assim como Testemunhas de Jeová, homossexuais e ciganos. Por que evidenciar apenas judeus? Não cabe a mim dizer o que é verdade nisso. Mas entendo que proibir questionamentos é, no mínimo, uma confissão de estar mentindo, total ou parcialmente.

Por outro lado, tenho como claro que há assuntos que, mesmo com todos as evidências, haverá quem duvide, como a ida do homem à Lua, por exemplo. Ora, se consegue ficar em órbita não iria ao satélite? Por óbvio que iria. E em se tratando de religião a credulidade extrapola qualquer fagulha de bom senso. Assim, mesmo com todas as provas haverá sempre quem duvide apenas por duvidar.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Criciúma tem ''Jô Soares"

Dadas as devidas proporções, Criciúma tem ''Jô Soares", quem só consegue pensar em expressões artísticas e cultura sob o patrocínio do poder público. Sou contra isso!

Fui muito bem recebido quando quis ajudar e ajudei no Luau Literário durante 2014, participando de várias reuniões e me dispondo em ser mais que expectador. Mas quando critiquei, quando ousei discordar, conheci a verdadeira face de quem quis diálogo com o poder. Vamos aos fatos.

Sábado na Nereu Ramos (foto) procurei conversar sobre a demanda de quem exigia espaço para as artes nas dependências do teatro Elias Angeloni, dentre outros detalhes, desalojados sem aviso por conta do incêndio no Paço. Queria me inteirar de mais detalhes, pois minha primeira fala sobre o assunto foi contrária aos organizadores da manifestação desse dia. Prudente, quis rever meus conceitos. Afinal, poderia estar errado. Infelizmente, não houve condições de diálogo por quem exigia diálogo com o poder. Mas devo dizer que os tenho apenas como jovens inexperientes nessas relações e artisticamente inexpressivos. Esse movimento não tem boa liderança e na forma como querem agir duvido que consigam alguma coisa. Perdem tempo brigando com o poder, quando deveriam se concentrar em contornar a situação com a iniciativa privada. Essa mesma que é feita de gente, de cidadãos e não de seres inescrupulosos, como reza o preconceito dessa gurizada.

Toco no assunto porque tenho obras de artes plásticas produzidas durante anos. Na mansão do pediatra Luiz Guerino de Costa há, logo na entrada, um dos meus trabalhos, por exemplo. Produzi ensaios, poesias, charges e ilustrações. Meus três filhos fazem arte. Sarah e Henrique ligados à música e Gabriel pinta quadros e faz ilustrações. Ou seja, posso falar sobre depender ou não do poder público para fazer arte. E afirmo, sem qualquer dúvidas, que não precisa.

A arte é espontânea, a cultura é igualmente espontânea e absolutamente diversa. Não está e jamais estará dependente do poder público e suas políticas. Arte deve ser feita pela arte, pelo prazer que dá. Se alguém quiser compra-la muito melhor. O poder público tem muitas e mais importantes demandas.


quarta-feira, 17 de junho de 2015

POLITEÍSMO

Estive pensando no porquê de surgir o politeísmo e ainda hoje manter-se em algumas culturas. Porém, devo lembrá-los que Deus é uma expressão cultural, porquanto houvesse uma manifestação Dele seria a todos, de igual forma, em todos os tempos e lugares. Coisa que jamais existiu. A única semelhança entre as várias correntes é ver pela criação que há um criador. Nem mais nem menos.

Vamos ao que observei analisei.

Na antiguidade a única fonte que fazia pensar na existência de uma divindade era a natureza e seus fenômenos. Isso fica claro no politeísmo, pois cada deus tinha a sua relação com aspectos da natureza, sol, vento, mar etc.

Assim, o homem, ao observar o constante conflito entre os elementos, como uma inundação sobre a terra, por exemplo, suponha que os deuses estariam em briga. Ora, por que atribuir a um deus cada elemento ou parte da Terra? Justamente por conta de sua força e vontade própria aos olhos desses mesmos homens. Não havia quaisquer informações sobre as leis da Natureza e do porquê do vento ventar.

Além disso, ou principalmente, por causa da colheita, principal fonte de subsistência, estar sujeita às condições do clima o homem supôs haver conflitos de interesse entre a água, o ar e a terra.

É o que me parece.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

LIBERDADE A CONDENADO POR ESTUPRO DE CRIANÇA

Estupro é uma agressão para a qual me faltam palavras. Ainda mais em se tratando de criança. Não suportaria ver isso dentro de minha família e não entregaria à Justiça, resolveria eu mesmo em caso de identificar o agressor. Altero-me ao pensar nas mulheres da minha vida - filha, neta, mãe, irmãs, namorada e ex-esposa. Seguem informações repassadas a mim por um pai, cuja filha estuprada aos 6 anos.

O nome do agressor é Reginaldo João Rodrigues, morava no bairro Vila Zuleima, quando foi preso, condenado por estupro. Tem várias acusações por estelionato e até por roubo de cargas rodoviárias, com formação de quadrilha. Foi denunciado a primeira vez por crime sexual contra criança em 2009, processo 020.09.017239-8 da 1ª Vara Criminal de Criciúma, e foi condenado sem nenhuma dúvida a 15 anos de prisão em regime fechado, Sentença de 2011.

Em paralelo, havia sido preso em flagrante por documento falso de identidade na delegacia de Forquilhinha. Sendo condenado a 2 anos de prisão.

No uso da própria legislação recorreu da sentença no processo de crime sexual e diminuiu a pena para 13 anos e 9 meses. Iniciou-se o processo de Execução Penal, de numero 020.11.002923-2, (CNJ no. 0002923-13.2011.8.24.0020).

Com esta condenação veio à tona testemunhos de outras crianças, vítimas de abuso sexual, parentes desse sujeito. Porém, os pais preferiram não denunciar, tal o medo que ele gera em sua família. Mesmo assim, sua filha, menor de idade, criou coragem e denunciou-o, relatando verdadeiras atrocidades e barbáries sexuais cometidas por esse monstro. O processo tramita na 1ª Vara Criminal de Criciúma sob no. 020.12.008060-5 (CNJ no. 0008060-39.2012.8.24.0020), e tinha audiência de Instrução e Julgamento marcada para março deste ano. Infelizmente, por motivos técnicos essa audiência não se realizou e foi adiada para agosto.

Ainda mais macabro, em todo esse período, Reginaldo e alguns de seus parentes próximos, fizeram ameaças à integridade física do pai, de suas filhas, de sua própria filha que o denunciou, e a sua ex-mulher, mãe da 2ª vítima.

Agora ele conseguiu abertura para o Semi Aberto e terá direito a sete dias em liberdade, a começar nesta sexta feira, dia 29 de Maio.

Segundo informações que recebi, o tal promete cumprir suas ameaças de vingança. Provavelmente, dado seu "currículo" poderá possuir documentos falsos para sua fuga, morar bem longe daqui com outro nome e, assim, a Justiça nunca mais o localizará. Concomitante, o Assistente de Acusação promoveu pedido de Prisão Preventiva naquele Processo Crime, que graças à greve dos serventuários ficou parado e encontra-se em vistas do Promotor Dr. Ricardo, para decisão do Juiz, Dr. Valter, da 1ª Vara Criminal.

Resumindo, várias pessoas encontram-se acuadas, refém dessas ameaças, e na expectativa que o Juiz decrete a Prisão Preventiva do mesmo em nome da integridade física e até psicológica, das vítimas e das testemunhas dos casos. Enfim, precisamos que o Juiz Dr. Valter e o Promotor Dr. Ricardo, sejam sensibilizados.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

SERRA DO FAXINAL - A NOVELA

Segundo Leonardo Pelegrini Tiscoski, filho do ex-deputado e ex-Secretário Nacional de Saneamento Leodegar Tiscoski, a novela do asfaltamento da Serra do Faxinal, de Timbé do Sul a São José dos Ausentes. tem os seguintes capítulos:
Em 01/12/2003 o Conselho do Desenvolvimento Regional de Araranguá aprovou o asfaltamento da Serra do Faxinal;
· Em 15/03/2005, no Parque Clube 19 de Julho em Praia Grande, foi assinada pelo Secretário de Infra-estrutura, Edson Bez a autorização para el
aboração do edital de licitação para pavimentação da Serra do Faxinal - e reforçado o compromisso em 21/03/2005 por LHS no 23º Rodeio Crioulo de Praia Grande;
· Em 29/08/2005 o Governador assinou em Praia Grande a autorização do edital de licitação para pavimentação da Serra do Faxinal e dois dias depois no mesmo município, assinou a autorização para abertura do edital de licitação para pavimentação da Serra do Faxinal;
· Em 22/09/2005 foi divulgado oficialmente a Pavimentação da Serra do Faxinal com a assinatura do governador Luiz Henrique da Silveira, na Praça São Sebastião em Praia Grande, da autorização para abertura do edital de licitação para pavimentação da serra.
· Em 09/12/2005 foi liberada Licença Ambiental Prévia para pavimentação da Serra do Faxinal. Serão pavimentados 15,673km e a obra está orçada em R$ 14 milhões.
· Em 14/03/2006 foi publicado edital de licitação para asfaltar a Serra do Faxinal
· Em 16/05/2006 foi feita a Abertura de licitação para pavimentação da Serra do Faxinal;
· Em 28/09/2006 o Deinfra divulga que a Redram Construtora de Obras Ltda, do Paraná, irá executar a pavimentação asfáltica da Serra do Faxinal;
· Em 23/10/2006 o Governador Eduardo Moreira assina a ordem de serviço e a previsão é que a obra inicie em cinco dias e será realizada com recursos próprios do Governo do Estado;
· Em 03/03/2007 uma queda de barreira interrompe trânsito na Serra do Faxinal
· Em 12/04/2007 é anunciado que o trânsito na Serra do Faxinal seria liberado em 15 dias;
· Em 16/07/2007 nova queda de barreira deixa novamente trânsito em meia pista na Serra do Faxinal;
· Em 25/07/2007 já não havia nenhuma obra em andamento na Serra do Faxinal;
· Em 05/03/2008 a estrada da Serra do Faxinal continuava interditada em meia pista e os Técnicos do DEINFRA fizeram uma análise do local e esperavam resolver a situação em alguns dias;
· Em 30/10/2009, uma suspensão de liminar garantia o retorno da obra em 15 dias;
· Em 26/01/2010 a obra continuava absolutamente paralisada;
· Em 17/03/2010 um encontro entre IBAMA, Edinho Bez, DEINFRA e outros políticos da região a imprensa divulga a agilização do processo a partir desta data;
· Em 21/09/2010 numa visita a região, os então candidatos Raimundo Colombo e Eduardo Moreira, comprometem-se, em sendo eleitos concluírem a obra;
· No dia 22/04/2010 aconteceu a 57ª Reunião do Conselho Regional de Araranguá (já se passaram 7 anos) onde foi falado sobre a importância da obra da Serra do Faxinal;
· Em 25/02/2011 foi anunciada a retomada da obra para no máximo em 30 dias;
· Em 26/05/2011 nova reunião com os mesmos de sempre solicitam e divulgam à imprensa pedido de agilização na liberação da obra que já devia estar ouvindo o ronco dos tratores há mais de um mês;
· Em 08/02/2012 novamente se faz alarde na imprensa sobre a retomada da obra...

Esta semana a assessora do deputado federal Ronaldo Benedet emite nota dizendo que "A licença geral para início da obra já foi concedida, mas o impasse está na licença de supressão vegetal, para a retirada de árvores não nativas que cresceram nas proximidades da pista".