sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

BURRICE REPRODUZIDA IN VITRO

Religiosos ridicularizam-me diante de algumas coisas que digo. Fazem-no em nome da defesa de sua fé, obviamente. Alguns dizem rir. Ou seja, mentem. Mas vamos aos fatos. Numa das minhas postagens no Facebook mencionei a fertilização in vitro, ainda mais no caso de sêxtuplos, como exemplo de que as pessoas não estão neste mundo por providência divina. Em seu argumento o sujeito disse que "Deus dá sabedoria aos homens para realizarem" coisas como a fertilização in vitro.

Bem, às vezes é preciso o escárnio, já que o dono da tolice chega ao ponto de não merecer respeito.

Se Ele deu a sabedoria (melhor seria a palavra 'conhecimento'), deu também a burrice. Ou, pior, sendo a burrice um estado natural escolheu dar conhecimento só para alguns. O fato é que se dá é porque não tem. Ora, Ele não dá estômago porque está em nossa constituição ter um! Ainda mais aterrador, escolheu poucos para usufruírem do conhecimento que teria dado para uns poucos, fazendo a vasta maioria das pessoas não terem conhecimento e nem acesso a essa tal vantagem.

O argumento do sujeito é tão forte quanto bejú na chuva... Esquece, por óbvio, que nenhuma descoberta científica acontece por mero acaso. Mesmo aquelas tidas por acaso o cientista estava em pesquisa, estava atrás de alguma coisa e, portanto, detinha um certo grau de conhecimento. Todas se dão a partir de conhecimentos prévios, passados de geração em geração, acumulados ao longo do tempo pelas sociedades, guardadas em livros nas escolas e bibliotecas. Por exemplo, a partir da energia elétrica e do uso do vapor em máquinas houve uma explosão de conhecimentos. Crescemos mais cientificamente em 100 anos que em mais de um milhão de anos desde nossos antepassados hominídeos.

Esse Deus, de que fala o sujeito, é um ser bem seletivo em se tratando de dar benefícios. E, ao invés de simplesmente propiciar a fecundação, por exemplo, gera um esforço enorme, com alto custo financeiro e emocional para os pais. Doloroso ver pais apegando-se à fé e crenças para terem o que só a ciência pode dar, quando dá.

O fato irretocável é da perversão de coisas evidentes pela necessidade de acreditar em alguma coisa além de si e desta vida. Essas limitações são mantidas por mentes medrosas ao extremo e que ousam fazer defesa em assuntos para os quais não têm a menor condição.

Na boa, fiquem com Ele. A mim não me serve um ser que age dessa forma!

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

STF DETERMINA VOLTA DE SALVARO À PREFEITURA DE CRICIÚMA

Publicado pelo DC On Line.

Uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski deve sacudir o cenário político de Criciúma nos dois últimos anos deste mandato na prefeitura municipal. O juiz atendeu a um recurso de Clésio Salvaro(PSDB), eleito em 2012 com 76,48% dos votos, mas impedido na lei da ficha limpa, e mandou que a Justiça Eleitoral dê posse ao tucano como prefeito da cidade.

— Determino, pois, em consequência, a posse imediata de Clésio Salvaro, no cargo de prefeito do município de Criciúma para o qual foi reeleito — diz Lewandowski na decisão proferida na última quinta-feira.

Ao analisar um pedido de liminar (AC 3786), o ministro entendeu que o aumento do prazo de inelegibilidade, devido a uma leia aprovada em 2010, não pode prejudicar a “coisa julgada”, ou seja, que o condenado já havia terminado de cumprir um período de inelegibilidade de três anos antes da alteração da lei que ampliou o prazo de punição para oito anos.

Com esse entendimento, Lewandowski suspendeu os efeitos de uma decisão da Justiça Eleitoral que negou o registro de candidatura de Clésio Salvaro. Ele também concedeu a liminar para que seus votos obtidos nas eleições em outubro de 2012 sejam considerados válidos "em respeito à manifestação da soberania popular no pleito”.

Na época, pela eleição ter registrado mais de 50% dos votos considerados nulos, a Justiça Eleitoral determinou que a cidade tivesse outra eleição, marcada para março de 2013. Nessa outra disputa, venceu o até então vice-prefeito de Salvaro, Márcio Burigo (PP), com 72,27% dos votos válidos.

:: Caso ainda pode ter reviravoltas
Salvaro foi condenado à inelegibilidade pelo prazo de três anos, por abuso de poder político, por conta da realização de cerimonia de casamento coletivo, com a colaboração do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. O acórdão do Tribunal Regional Eleitoral catarinense, que condenou Salvaro, transitou em julgado em abril de 2009, sem que houvesse qualquer recurso contra o prazo de inelegibilidade.

A discussão sobre legitimidade da aplicação retroativa da regra que ampliou de três para oito anos o prazo da sanção de inelegibilidade aguarda avaliação do Plenário do Supremo Tribunal Federal, no processo ARE 790.744, que também tem a relatoria do ministro Ricardo Lewandowski.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

MAIS VELHOS QUE DESRESPEITAM IDOSOS E DEFICIENTES

Fui surpreendido por uma atendente de estacionamento do Giassi Supermercado ao ouvir dela que os mais velhos são os que mais desrespeitam as vagas de estacionamento para deficientes e idosos. Ela admitiu o que para mim parecia ser óbvio, que os mais novos seriam os mais desrespeitadores. Mas porque isso é assim? Parei para pensar e me surgiram algumas hipóteses, diante de que, de forma recorrente, se diz sobre a educação de antigamente ser melhor, mais rigorosa e mais benéfica que a de hoje.

Primeira condição que me ocorreu é de que antigamente, eu diria de uns 30 anos para trás, a vida de deficiente físico e idoso era a de ficar em casa. A tal da "acessibilidade" é coisa recente, é coisa dos nossos dias. Não havia nenhuma preocupação para com cadeirantes, se poderiam se locomover pela cidade, porque simplesmente eles não se locomoviam pela cidade. No máximo iam à missa levados pelos familiares.

Admitamos que a educação de antigamente era melhor e mais adequada. Contudo, não havia a consciência de criar estrutura para portadores de necessidades especiais como vemos hoje, também porque o volume de carros aumentou muito, tornando-se acessível à grande parte da população, inclusive adaptados, possibilitando serem levados a todos os lugares. Da mesma forma é bom que notemos o desenvolver das vias: eram de paralelepípedos ou de terra e poucas passeios públicos pavimentados, com a exceção das capitais e grandes cidades e, ainda assim, a periferia das tais em nada ajudam portadores de necessidades especiais.

Enfim conclui-se que é uma questão de condicionamento desde a mais tenra idade. Os mais velhos simplesmente vão no piloto automático, agindo como agiam seus pais. Eis o desafio das mudanças de hábito. A aposta, novamente, está nas novas gerações, como a própria atendente verificou.

O que mudou se filho replica pai e pronto? Ora, uns poucos lutaram por mudanças via legislação, via difusão de informações e coisas do tipo.

HOMENS SÃO MAIS CRIATIVOS QUE MULHERES

Homens são mais criativos que mulheres e isso é tão evidente que se torna quase indiscutível. Contudo, há homens não criativos como há mulheres altamente criativas. Portanto, essa é uma "verdade" geral e não entra nos casos específicos.

Primeira situação é de que em toda a nossa existência o homem foi responsável pela caça e as mulheres, via de regra, pela coleta e cuidado com os filhos. É preciso inventar uma forma adequada de captura para cada uma das presas. Além disso, é travada uma verdadeira guerra contra o imprevisto. O homem teve que lidar com a reação do animal em frações de segundos e isso leva o cérebro a desenvolver e buscar alternativas muito rapidamente. Como o animal é de certa forma imprevisível, capturá-lo leva à criatividade.

Outro quesito desenvolvido ao longo de milhões de anos é a questão do ataque dos inimigos. O inimigo, no caso do homem as outras tribos, busca formas de derrotar e o outro formas de defender-se. Vale lembra que, ironicamente, poucas coisas geraram tantos benefícios para a humanidade quando as guerras. A cirurgia, por exemplo, teve seu ápice com a necessidade de curar ferimentos ou conter sangramentos durante os conflitos e isso está diretamente ligado à atividade masculina.

Por sua vez a mulher, por conta da gestação e cuidados com a criança, limitou-se muito mais ao ambiente do lar ou mesmo em tribos nômades ela estava na posição de protegida e não de protetora no todo do grupo. Suas atividades restringiram-na a trabalhos repetitivos, plenamente conhecidos de geração em geração.

Em nenhum dos casos há, necessariamente, méritos e deméritos. Mas uma condição forçada pela natureza e que marcou a condição dos gêneros.

Faço este comentário porque vejo muita gente dando razão errada aos fatos e neste caso falando como se tudo girasse em torno do machismo. Ora, o machismo é, também, resultado da forma como vivemos. Não fosse assim nossa espécie teria sucumbido há muito tempo porque estes dois aspectos, inovação e repetição, foram fundamentais para nossa sobrevivência.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

RELIGIÃO NÃO SE RESPEITA

Não é possível respeitar religião. Pense um pouquinho apenas. Nenhuma delas respeita a outra porque todas fazem proselitismo. Além disso, segundo o senso de respeito que esse povo por aí tem o cristianismo não existiria, por exemplo. Se esse sujeito chamado Jesus seguisse o conselho dessa gente nem para a cruz ele iria, pois de nada seria acusado, em nada seria conhecido.

É o mais absoluto desrespeito que alimenta a fé em alguma coisa além da matéria, quando uma mensagem é distribuída. É difícil entender que no momento em que eu falo, seja lá qual for o meio, estou tentando persuadir o outro a pensar como eu - como faço neste texto? Ora, é óbvio que tento, desesperadamente, que entendam como eu! Onde está o problema? Não está, não há problema.

Supõem, por serem maioria neste país, que o cristianismo seja intocável. Menos entre as várias facções cristãs. Ora, evangélicos, os mais diversos, e católicos se digladiam o tempo todo. Aqueles sempre no ataque e esses sempre na defesa do indefensável. Enfim, nada pode ser tido sobre a fé religiosa que lá vem um iluminado dizer para respeitar sem perceber que, ao fazer isso, contraria a si mesmo, por não respeitar o outro.

Portanto, não me peçam respeito ou pedirei para que exerçam para comigo esse respeito que querem para si.


O SOL DA MEIA NOITE E A LEI DE MOISÉS

O Sábado judaico, também seguido pelos Adventistas do 7º Dia, tem algo muito interessante se relacionado com o "Sol da meia-noite" que comento em seguida. Primeiro a instituição pela lei mosaica:

"Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o Senhor teu Deus. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhum trabalho nele, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro que está dentro de tuas portas; para que o teu servo e a tua serva descansem como tu; Porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito, e que o Senhor teu Deus te tirou dali com mão forte e braço estendido; por isso o Senhor teu Deus te ordenou que guardasses o dia de sábado." (Deuteronômio 5:12-15)

O dia judaico era de ocaso a ocaso. Do anoitecer de sexta-feira até o anoitecer de sábado o Sabath era, ou é, guardado. Portanto, em se tratando do "Sol da meia-noite", que é um fenômeno natural observável nos círculos polares conforme a rotação da Terra, temos um impasse muitíssimo interessante se relacionado com a tal Lei.

Nesses locais o Sol é visível por 24 horas do dia por alguns dias durante solstício de verão. Para entenderes, quando temos dias maiores no Brasil temos o fenômeno na Antártica e quando temos as noites maiores ele ocorre no Ártico, por conta do eixo inclinado da Terra em relação ao Sol. Se o eixo da Terra estivesse perpendicular ao Sol isso não ocorreria e teríamos noites eternas nos polos e na linha do Equador a mesma insolação atmosférica o ano todo.

Diante disso fica impossível guardar o Sabath, em cumprimento ao que seria uma Lei Divina simplesmente porque o Sol não se põe para quem estiver num desses extremos da Terra. Mesmo que argumentes que seriam pouquíssimas as pessoas nessa situação o que importa é que uma única pessoa estaria impossibilitada de cumprir uma "ordem divina". De qualquer forma temos cerca de 2 mil pessoas na cidade de Longyearbyen, a cidade mais setentrional do planeta e que vivem esse fenômeno anualmente.

Ora, que Deus determinaria uma Lei sujeita a fenômenos naturais? Naturais, criados por ele mesmo, digamos. De fato não há Lei Divina alguma em se tratando de religião. E no caso citado revela apenas que os homens refletiram o que conheciam à época, dentro dos imites territoriais em que viviam, divinizando seus próprios conceitos para dar-lhes autoridade.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

DESCULPEM, MAS BELEZA É FUNDAMENTAL

O visual tem relação com a saúde. Tanto que parte do diagnóstico feito por um médico e o olhar clínico de nossas mães baseiam-se na aparência. Nossos estados febris manifestam-se imediatamente, por exemplo. A postura, massa ou tônus muscular, a prática de esportes, enfim, manifestações externas de nossa condição de estar apto para a procriação, base instintiva, animal e basilar à existência. Afinal, tanto saúde, quanto doença são transmitidos aos descendentes por várias gerações.

Além do exemplo do Pavão, dentre tantos animais que usam a aparência, há os que travam lutas pela fêmea. Os chifres e cornos maiores, de bovinos e ovinos respectivamente, são dos machos mais saudáveis e, portanto, melhores geneticamente. É uma forma natural de seleção feita pela fêmea. Ela faz a escolha e se submete ao vencedor dentre os machos. Outro exemplo, a juba do Leão demonstra sua melhor condição genética, sua saúde e até sua virilidade. Os leões menos fortes tem juba menor, mais rala.

Então, nosso apego a beleza não foge ao instinto, mas o reflete. Somos igualmente animais neste particular. E beleza é proporção e simetria, basicamente. Quem fala negativamente do nosso apego à aparência é um péssimo observador das nossas humanidades.